Páginas

24 de fevereiro de 2015

Notícia: Estado institui gabinete de emergência para discutir ações de enfrentamento à crise hídrica



O secretário de Estado do Ambiente, André Corrêa, anunciou hoje (9/02) a criação de um gabinete de emergência, que se reunirá semanalmente para discutir, entre outros assuntos, a adoção de medidas emergenciais que visem a incentivar o uso eficiente da água pelo setor industrial. Entre essas medidas está a possibilidade da construção de um enrocamento (dique de pedras) na Bacia do Rio Guandu com o objetivo de reduzir a entrada da água do mar nesse curso d’água.

A proposta foi comunicada nesta segunda-feira em nova reunião com representantes das quatro principais empresas do Distrito Industrial de Santa Cruz. A situação destas empresas é mais preocupante porque utilizam água do Rio Guandu, abaixo do sistema de captação da Cedae, responsável pelo abastecimento de nove milhões de habitantes da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O problema se agrava por conta da crise hídrica que afeta a região sudeste, a maior dos últimos 84 anos.

De acordo com o secretário André Corrêa, os representantes dessas indústrias concordaram com a medida que será uma solução a curto prazo até a implementação de uma solução definitiva: a construção de uma adutora com 14 quilômetros de extensão que vai levar a água de reúso da Cedae para alimentar essas indústrias.

“O governo do Rio de Janeiro quer deixar claro que é uma situação grave; que ele está atento; que ele não descarta nenhuma possibilidade; que ele prioriza o abastecimento humano; que ele trabalha em parceria com o governo federal; e que ele vai reforçar uma politica de reúso e a politica de consumo consciente" lembrou o secretário André Corrêa.

O secretário destacou que o Governo do Estado vem atuando de forma proativa para enfrentar a crise hídrica:

“Não estamos esperando as coisas acontecerem. Estamos agindo e a orientação do governador Pezão é priorizar o abastecimento humano. Por isso é que estamos tratando, primeiramente, com o setor industrial. Vamos entrar com uma grande campanha da Cedae que vai estimular o uso racional da água. Enfim, o governo está agindo”, destacou o secretário, que detalhou outras medidas para garantir a oferta de água para a população fluminense:

As providências adotadas pelo Governo do Estado foram assunto na reunião desta segunda-feira entre o governador Luiz Fernando Pezão, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu, o secretário André Corrêa e o presidente da Cedae, Jorge Briard. Izabella Teixeira anunciou a liberação de 360 milhões de reais em obras para aumentar a oferta de água no Rio de Janeiro. A ministra lembrou que “encontramos aqui uma postura de gestão preventiva. O Rio está tomando uma série de providências – desde o plano de contingência da CEDAE até investimentos de caráter emergencial para reduzir a demanda de água para fins industriais."

A iniciativa do secretário André Corrêa de convocar representantes das indústrias do Distrito Industrial de Santa Cruz foi destacada pela ministra: “As indústrias terão que fazer investimentos para não “disputar” com o consumo humano a água do sistema do Guandu e assegurar a demanda de água necessária para a atividade produtiva. Há um investimento do setor privado e do setor público, em caráter emergencial, para diminuir a dependência dessas indústrias do sistema que abastece a população da Região Metropolitana do Rio de Janeiro”.

Portal Inea
09/02/2015 
http://www.inea.rj.gov.br/Portal/Noticias/INEA0074730&lang=#ad-image-0

--
Observatório Soberania Ambiental
Nosso Ambiente!